Chuva da Vida

Chuva da Vida

Bebe a terra a chuva fina
Que embassa as vidraças
Transborda o leito dos rios
Das vertentes e cascatas


Acordam felizes os frutos
Orvalhados no frescor
Da água bendita e santa
Que a mãe terra agiganta


Solo sedento de vida
Espera as águas da chuva
Para acordar com beleza
A verdejante natureza


Silêncio se faz nos ninhos
Recolhe-se a passarada
Sob as árvores frondosas
Animais calam a prosa


Saciada na água santa
Vida verde verte do solo
Sob o brilho do rei sol
E o carmim do arrebol


Benditas sejam as águas
Que matam da terra a sede
Fazem sementes germinar
Para o planeta reflorestar.


(Ana Stoppa)

 

Copyright©2012. Todos os direitos reservados
Vedado copiar, distribuir, exibir, executar, criar
obras derivadas, nem fazer uso comercial desta obra
sem a permissão da Autora.

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!